1 de abril de 2019

um ex_certo Peso Certo



no Natal de 2018

(já quase na outra Encarnação, lembram-se?, ou melhor, no princípio do fim evidente desta: estava um frio do caraças e estava tudo a desfazer-se enquanto o Coração descongelava, com vários dos fragmentos e hologramas de cada um de nós separados, e nós todos ou quase, mais ou menos tristes, em negação ou distraídos, iludidos ou anestesiados, a sentirmo-nos profundamente tristes e à toa, e cada vez mais desorientados: Merry Christmas, mr. Lawrence - ou será Ebenezer Scrooge? ;-) )

nesse Natal, o último Natal,

foi por essa altura que cometi um acto de loucura (mais um), que foi propor-me escrever para cada Um umas pa_lavras ou _linhas sobre o "Peso Certo" que cada um tem de assumir na sua própria Vida, conforme aquilo que a minha intuição, lentes e ferramentas (principalmente, a Astrologia do Mapa de cada um) me revelam, sugerem, apontam, ou mostram.

e em troca pedi um contributo/donativo de 10e, para minimizar o custo do meu Serviço para mim: energia, tempo, dedicação, e também - Trabalho. Era uma Prenda, efectivamente, porque cobro cem euros por hora de trabalho, e por algo que me exige tanto ou mais tempo e Trabalho pedi apenas um dízimo.

Mas era Natal, caraças, e era o último. E eram ordens do meu próprio Coração; eu sabia, sentia, intuía, via, ou fantasiava, ou delirava,

que esta(va)mos todos a precisar de uma certa "orientação"

(e eu também não tinha agenda de trabalho para receber todos os que me procuram: tenho uma lista de espera astronómica - e sou só uno -), de modo que pensei,

vou oferecer esta Prenda.

Depois aconteceu o melhor, e o mais difícil: fui inundado de pedidos, e além disso - aquilo que supostamente era para ser "umas pa_lavras ou _linhas" transformou-se numa Mensagem Colectiva a ser entregue, além do recado (ou do "Peso") específico de cada Um, e a Mensagem Colectiva tornou-se uma Introdução ao Peso Certo de cada Um, e o que seriam pa_lavras e linhas tornaram-se uma espécie de "livro" com vinte e tal páginas, e o Peso Certo de cada um, no final do "livro", o "foco" adequado e necessário altamente individualizado depois de muito tempo a "processar" intelectual e intuitivamente o Mapa Astrológico de cada Um e sondando no Éter a matriz energética do Ser que vive através dele.

Andei portanto às apalpadelas no Éter, apesar do frio :-)

E a Prenda transformou-se assim numa empreitada (nunca sabemos bem o que estamos a pôr em movimento quando honramos os impulsos próprios do Coração, pois não?), e passei os dias - do Natal ao Ano Novo - a trabalhar nisto. E continuei desde então, tentando ir respondendo e terminando os Pesos individuais à medida que a minha vida (porque a minha vida não é isto!,... ou é :-) ) o permitia, encaixando o peso da responsabilidade dessa minha Escolha e decisão no meio de todas as outras que fazem parte do meu karma particular, quero dizer: eu próprio, os meus Trabalhos, a minha filha e vida familiar, os meus gatos, a minha avó entretanto institucionalizada, e tudo o resto que se me ponho aqui a contar ninguém acredita como é que ainda arranjo tempo para ir ao Facebook postar disparates de vez em quando, e o #mantradodia diariamente.

Mas "a man's gotta do what a man's gotta do" - it's just the name of the game.

And I chose to play it (by inner ear).

* * * * *

Hoje faltam-me já menos de 200 pedidos.

E hoje tive outro impulso,

enquanto não concluo as "pesagens" que me faltam (ou que faltam aos outros, na verdade, porque a minha faço-a momento a momento),

decidi deixar aqui um pequeno excerto desse e-book de 25 páginas que escrevi pensando que ia escrever três ou quatro palavras.

A Vida é surpreendente, e surpreendentemente generosa - se ao menos pudermos aceitá-la no que É.


Fica aqui um excerto, creio bastante oportuno.

E uma satisfação àqueles que ainda não pesei (não, não aceito mais encomendas - é oficial - acabou-se o que era doce! :-) )

vou trabalhar com o karma que criei até aqui, lidar com ele,

e como Todos Nós temos de fazer,

criar um Destino diferente e novo

agora mesmo

e daqui para a frente.



« (...) Indagam-se, as palavras e as frases e as ideias que elas encerram - ou sugerem, revelam, apontam - se lhe farão sentido as palavras, e nesse caso – se aceitará o convite

(de uma vez por todas, digo eu, mas isto é um comentário puramente pessoal)

a abraçar os desafios, limitações, custos, frustrações inevitáveis, inerentes às escolhas mais autênticas do seu Grande Espírito

a Assumir(-se), a assumir
a verdade e o comando, a responsabilidade e a missão

de Ser Verdadeiro/a e Autêntico/a, verdadeiramente Quem – e O Que – se É, ou pode vir a Ser através do processo do tornar-se, já que a busca da “Felicidade”, assim como assim - é certo e sabido –

ou é vivida como renúncia e trabalho interior,

ou está condenada a falhar.

In the long run, afinal,

O que é que vai ter valido realmente a pena fazer nesta Vida?

Sim, é verdade, a Verdade implica



que enfrentemos as dúvidas, as preguiças, as inseguranças, o senso de inadequação, a despreparação, e as desculpas – tantas vezes disfarçando o medo de responsabilidades nobres e impeditivas de fazer as escolhas correctas, ou pelo menos, verdadeiras,

que abdiquemos do controlo sobre o que não controlamos (mas queremos)

é inútil, não é

lidar com o que É é que É.


Maturidade Espiritual.

Chegou (chega em rigor a partir de Fevereiro 2019 e estamos em plena preparação, despindo-nos e despojando-nos da velha, anterior, versão de nós próprios)

o Tempo de Ser, e por tanto

Tempo de reduzir, e reconduzir, ao Essencial

(essere: referente ao Ser)

- reciclando todo o possível, autorizando o que é vital e real, promovendo o que é pura possibilidade em permanente expansão -

- pura consciência em permanente expansão, reconhecendo e reconciliando-se com a sua Natureza, sendo cada vez mais, apenas, o que lhe é natural -

Enquanto o corpo, limitado pelo espaço e o tempo, se verga, aprende e se reconcilia com os seus próprios limites e responde, enfrentando os desafios e as batalhas da Encarnação

enquanto ganha Consciência e Sabedoria, gerando experiência e consequências, que são a condição da aprendizagem

enquanto o corpo cresce e amadurece, é certo, durante um tempo, e caminha para o auge do seu poder frente ao mundo (exterior), mas depois de um auge fugaz, o corpo envelhece

- se o Espírito se renova e rejuvenesce, é outro assunto, ou se também agimos, vivemos, e nos movemos pelo interior -

e caminha – caminhamos - para um mesmo destino sem retorno,

talvez mesmo

para o retorno do destino. »
 
 
Obrigado a Todos pelo Interesse e Voto de Confiança no meu Trabalho. É isto. Estamos ao Serviço e Cuidamos uns dos outros (como se existissem "outros" :-) )

... e a listinha dos 200 pedidos continua a mirrar... ao seu próprio ritmo... cuidada com Amor ao ritmo do possível...

 

1 comentário:

Anita disse...

Que maravilha !