27 de setembro de 2017

por estes dias - 28 de Setembro 2017

por estes dias, por estas horas, por esta altura

está a dar-se uma coisa interessante, pelo menos para quem tenha como reconhecê-la. sabê-la, ou senti-la

(quem não tem radio não pode ouvir a emissão, não é? os locutores falam falam falam, passam discos, dão notícias, e a gente não sabe de nada)

mas estes dias são especiais.

porque por estes dias, por esta altura, já devemos todos estar capazes de reconhecer a inevitabilidade das mudanças dramáticas, espectaculares, e irreversíveis que temos estado todos a viver nos últimos meses.

- e ainda não acabou, mas cumpre-se uma etapa importante: a da realização de como tudo mudou;
ainda há pouco estávamos a comer passas e a fazer votos de ano novo, com um ano pela frente cheio de expectativas, ilusões, miragens, crenças, entusiasmo inocente tonto pueril infantil, sem fazer ideia do que aí vinha - mas cheios de planos,


(especialmente se não tivermos usado repelente adequado e tivermos sido mordidos pelo mosquito do eu-é-que-sou-o-criador-defino-objectivos-faço-planos-e-com-os-metodos-do-coxing-faço-o-que-eu-quiser-e-as-possibilidades-na-vida-esgotam-se-apenas-pelas-minhas-crenças-limitadas-e-falta-de-foco-porque-a-vida-é-minha-e-eu-faço-e-planeio-e-obtenho-tudo-o-que-entendo-imagino-e-desejo-é-só-fazer-mais-uma-sessão-ou-um-nível-de-coxing-cura-raquidiana-ou-aplicar-cremes-de-nano-particulas-intertesticulares-que-activam-a-pineal-medula-desde-que-não-coma-tomate-nem-use-pasta-de-dentes

ou outras melguices do género - ou piolhices - e ainda dizem que tontas são as baratas...)

cheios de nós-próprios, do que imaginávamos, ou acreditávamos que a vida seria.

éramos nós há uns meses.

e hoje podemos olhar para trás e ver as voltas que a vida deu,

as novas alianças,

as rupturas e desligamentos inevitáveis

os golpes de sorte disfarçados de benção e as bençãos disfarçadas de azar

as mudanças contrariadas e precipitadas

as mudanças desejadas mas atrasadas e adiadas

enquanto tudo corre a um ritmo alucinante de um lado que não dava jeito nenhum

e tudo se arrasta por outro quando já queríamos ter tudo resolvido

(como se alguma vez tudo se resolvesse)

mas agora, hoje, por estes dias,

já podemos reconhecer (mesmo que ainda não compreendamos totalmente, e se acreditamos nisso é porque compreendemos ainda menos do que pensamos) que atravessámos uma ponte,

um portal,

e abandonámos para sempre um caminho outrora percorrido

- se não o caminho, pelo menos a velha pele do caminhante -

e o Mundo abriu, e aos nossos olhos (a bem ou a mal) para a possibilidade de compreendermos outras realidades, outros valores, novas tarefas, e até quem sabe - a próxima fase, tanto quanto daqui podemos ver.

são anos, podemos dizer, mas também podemos dizer que foram os últimos meses,

e também podemos dizer que todo esse Tempo se condensa numa súbita realização,
disponível por estes dias,

que um novo capítulo se abre perante nós.

A quem tem problemas de chakra raíz,

o que podemos dizer senão cura-te e confia,

e a quem tem problemas no da coroa,

orienta-te

e aos outros todos, com problemas espalhados pelos diversos centros e sectores,

olha,

continua a viver e se possível tenta ser mais consciente.

é que por estes dias

por estas horas

realizações súbitas da irreversibilidade da vida

o abandono das velhas formas e peles, cenários e personagens, mas acima de tudo,
"lugares" a partir de onde percorremos o nosso próprio caminho

tudo isso mudou.

e uma velha vida ficou para trás.

é bom que o reconheças. É bom que o aceites.

não só porque talvez queiras despedir-te e fazer lutos de vez,

aproveitar os últimos cartuchos para amar com intenção redobrada, a ver se te livras disso que insiste em persistir enquanto não é abraçado,

amado visto curado blablabla blablabla

mas acima de tudo porque um novo mundo começa a desenhar-se, a princípio incipientemente,

e mesmo que ainda não seja possível ver o seu início

é possível, pelo menos, reconhecer o fim do anterior.

bem-vind@s Querid@s Tod@s,

ao primeiro dia (amanhã)

do resto das nossas Vidas.

... até ao próximo primeiro dia, naturalmente,

porque a Dança não pára

e o Movimento é Perpétuo *

uma prova?

eheheheheh

ok

perguntem aos Carneiros sobre a sua luta com as autoridades,

aos Leões sobre si próprios,

aos Aquários sobre os seus relacionamentos, e a graciosidade com que a Vida precisa ser aceite tal como se nos apresenta,

aos Balanças sobre os vulcões domésticos e por que é que ainda não abriram as asas,

aos Peixes o que é que gostariam mesmo de ser quando forem grandes (não é o que querem; a pergunta do que querem não se aplica aos Peixes, porque Peixes não tem vontade),

aos Gémeos se se têm permitido partir pedra dentro de si,

aos Caranguejo sobre o amor,

aos Sagitário sobre o dinheiro,

etc. etc.

e depois

se quiseres perceber a magia destas coisas, o timing, e os propósitos estuda Astrologia

e talvez queiras também fazer alguma coisa de útil além disso, tipo,

reconhecer que viver no transe do ego

é um desperdício de Vida e de oportunidades

porque a Vida passa... e o ego continua a surpreender-se, a lutar, a sofrer, a resistir, e a querer o impossível

enquanto choraminga "oh tempo, volta para trás"

... não não não, menino ego.

o tempo não volta para trás.

alinha-te tu,

a ver se andas para a frente.

é que o próximo acto da tua ópera (ou do teu drama) está prestes a iniciar *

ou até já começou, e começas a ter noção clara disso por estes dias:

assim possamos nós ter consciência do que andamos a viver

porque se a Vida é uma emissão de rádio, tenhamos ou não os aparelhos ligados,

não é por isso que é-o-quando-o-telefone-toca

quero dizer,

mais depressa te pedem a ti que mudes o disco

do que põem a tocar o que tu queres.

a não ser que,

é claro,

e coiso *

Enviar um comentário