10 de março de 2017

aMarte e(m) Vénus



... Marte ingressou em Touro tropical. Saiu de Carneiro mas não sem uma saída bombástica e ruidosa, à sua maneira e medida: explosões, Fogo de Artifício, agressões, machadadas, acidentes, cortes, confrontos, conflitos, e embates de frente.

Discreto e gentil como um elefante alucinado, cheio de esteróides e speeds, numa loja de cristais 😎😂

Coisas sempre atingem um limite, antes de terminarem, dissiparem, ou entrarem na fase seguinte, qualitativamente diferente. Por isso algo mudou, entornou, se cortou, clarificou, resolveu, ou até - avançou.

... Ou nem tanto, porque Vénus continua em Carneiro e está retrógrada. Agora temos Marte no signo de Vénus e Vénus no signo de Marte. Ambos debilitados, em recepção mútua, e a dependerem um do outro.

Isto significa que uma certa urgência, afã, ou impaciência - a necessidade de levar tudo a eito, empurrando, impondo o próprio ritmo acelerado à vida e às circunstâncias - amaina; não a necessidade de o fazer, mas o método e o ritmo.

Isto também significa que há uma certa inversão de polaridades: Marte o macho no signo feminino de Vénus e Vénus a princesa no masculino signo de Marte. Dentro de nós, uma repolarização da maneira como nos relacionamos, desempenhamos os nossos papéis, e lutamos para defender ou obter aquilo que desejamos, queremos, e valorizamos.

E um potencial belíssimo, inspirado na própria condição dos planetas em causa: duas pessoas (partes, partidos, sexos, secções) que aceitam humildemente as suas imperfeições, limitações, falhas, objectivos próprios, e inter-dependência, e se dispõem a colaborar uma com a outra para chegarem mais longe nos seus propósitos respectivos - que não têm de ser, e dificilmente serão, os mesmos - mas que estão inextricavelmente ligados: ou nem estariam em relação, para começar 😁

Como dois pernetas que se apoiam um no outro e assim, com duas pernas ao dispor de ambos, podem caminhar para mais próximo do seu destino provisório seguinte, dispensando outras muletas. Têm é de se apoiar um no outro, colaborar, comunicar, negociar, ceder, ajustar, sintonizar, equilibrar num desequilíbrio dinâmico, e manter os olhos postos simultaneamente no chão, no outro, e no horizonte.

E não há problema nenhum em olharem para trás de vez em quando para se poderem congratular por todo o caminho já percorrido em conjunto.

É uma bela proposta de parceria, pelo menos por agora:

Ou então, um agudizar das diferenças e dos problemas, como dois gémeos que nascem ligados por um mesmo corpo e descobrem a chatice que é quando um quer andar para um lado e o outro gémeo para o outro, quando um quer ir e o outro ficar, quando um quer comer e o outro dormir, quando um quer dançar e o outro meditar.

É portanto altura de aprender a colaborar com impulsos, necessidades, direcções, caminhos, destinos, valores, preferências, objectivos, aparentemente opostos mas inextricavelmente ligados.

É altura de aprender a meditar em movimento, a alimentarmo-nos de sonho, a prioritizar o mais importante:

E não deixar de fazer nada, ou nada de importante por fazer.

E lembrar que somos todos Cristos em processo e progresso:

E que o melhor epíteto para o Cristo em nós, pelo menos de momento, é

"Aquele que nunca se escusava "

Façam lá o sacrifício, o sacrifício correcto, e verão

(outono, inverno, primavera, verão)

Como não só chegam mais longe

Como podem viver todo o Ano

A cada uma, em cada única Estação *

É caso para dizer que chegou a altura de aMarte e(m) Vénus.




Enviar um comentário