31 de agosto de 2015

reminder da Aurora

... eu sei (tão Aquário!), ou imagino (isto é mais Peixes),

 - enfim, acredito - vejo - ou simplesmente relaxo os esfíncteres, e a glote, para entregar a mensagem sem mais intromissões ou delongas -

que estamos todos na iminência de uma GRANDE mudança - individual e colectivamente,

e que estamos na sinuosa recta final

antes que a *coisa* mude.

estamos no fim_zinho do fim_de qualquer coisa,
- e tu saberás de que se trata, na tua vida -

e venho aqui pedir-te,

convocar-te,

convidar-te,

reCordar-te,


e lembrar a mim próprio

mantém a Confiança, não desvies os olhos do horizonte almejado para te deteres nas listinhas de misérias que são tão fáceis de elencar, por estes dias,

- além do discurso de vítima não te servir para nada, e te tirar o Poder, ainda prolonga a chafurdice -

e se me aceitas num Conselho,

e puderes guardá-lo e cuidá-lo, pelo menos até 23 de Setembro (e se puderes lembrar-te d'Isto),

então:

mantém a Humildade, a Diligência, a Coragem, e continua a avançar

mesmo que te sintas a rasgares-te Tod@ no arame farmado que é, por estes dias e há já tanto tempo, o karma da tua própria vida.

encara a coisa como se estivesses a parir.

e estás *

estás a parir uma versão aliviada de Ti mesm@,

depois de passares pelo inferno

e já estás quase a ver a luzinha ao fundo do túnel.

eu não te trago a Luzinha, ninguém to pode trazer, e se to fizerem acreditar que ta oferecem, estão (tu incluíd@), a prestar um mau serviço a ti mesm@.

trago-te apenas a Mensagem

de que a Luz mais brilhante, a encontras nas profundezas mais escuras

e que quando algo atinge o seu limite,

vira no seu contrário

e imagino como, à tua maneira e de acordo com o teu karma específico,

dês por ti a pensar - nos momentos piores - como te sentes num buraco que te asfixia, aprisiona, limita, e faz perder a esperança.

pois dias melhores virão.

digo-te,

dias melhores virão.

e depois de dia 23 de Setembro,

se te apetecer,

voltamos a falar.

até lá,

reCorda o Que És

... e não deixes que nuvem temporária alguma, por muito escura que te pareça,
te impeça de ver o Céu, o Sol, e o Brilho

que é reflexo de Ti própri@

e permanece,

e permanecerá

muito, muito para além do depois do momento

em que todas estas nuvens tiverem passado

... de modes que,

amanha-te

enquanto não Amanheces outra vez.

... e numa nota pessoal: Obrigado, avó Aurora,
por transportares o nome de Tudo o que se segue
à mais escura Noite da Alma*

Enviar um comentário