27 de dezembro de 2014

passagem de nível (III)

... aos que me têm agradecido, de uma maneira ou outra, o que tenho escrito nos últimos dois dias - desde que a minha mãe partiu e se libertou finalmente do seu sofrimento,

 quero que saibam o seguinte:

... É porque o de Uno pode servir Os de Mais que aqui me partilho - a "mim" e a alguns momentos de uma estória sem história que através d'Isto se vai in_screvendo.

Que Sirva Unos, e Outros, é o melhor testemunho de que Vidas, como as da minha ("minha"?) mãe, valeram a pena.

E cada feedback, cada gesto ou lampejo de Amor catalizado em cada Um de nós pelo que (d)escrevo de minhas paisagens internas, é para mim a mais gloriosa homenagem que se lhe poderia prestar. E não sou eu que o faço, quanto mais não seja - porque eu seria suspeito

... há muitos anos, a Olga disse-me que eu era o que de melhor ela tinha feito no mundo, e se uma ínfima parte de mim fosse dela, isso seria o seu maior motivo de orgulho.

- então, isto é tudo fruto do meu próprio egoísmo: partilhar o que sou, já que não posso - nem deixar de ser o que sou, nem já de me partilhar, e da vontade - egoísta também: necessidade minha - que ela saiba o quanto lhe devo para me ter tornado o que sou, o quanto dela vive em mim, e qual é o meu plano, ou pelo menos intenção, do momento e para o resto da existência

 ... foi ela, minha mãe, quem ma ofereceu, à Existência, para poder continuar assim a cumprir-se (a minha mãe) através de mim; e ela (a Existência) através de si, que é como quem diz, através dela. E disso consistiu o seu egoísmo, mas isso já não é none of my business,

and besides... It's all Good it's all Life * it's all Love

... é que se a Vida não é para esta constante co-criação colectiva chamada Amor, então,
digo-vos,

que se *oda o prémio, porque nada o aqui_vale *

... e a Tod@s que se têm solidarizado com meu momento * especial *, saibam que estou em Paz, amado e cuidado por todos os lados por demónios e anjos, herdei uns genes do caraças, e nunca me senti tão Feliz, e em Paz, na minha Vida.

... e que o Amor, recebido por estas e tantas outras vias tem sido o meu bálsamo, o meu licor, o elixir da juventude, o segredo da minha embriaguez.

e mais uma vez a "culpa" é em grande parte da Olga: saí um grande Filho da Mãe. É que a acreditar nas palavras recebidas agora mesmo, "Nuno, your heart is so full of love that even in the time of your grief at the loss of your mother, you send messages of love. Your mother must have been a very wonderful person to have raised you so beautifully. Her light shines through you everywhere you go."

... and you know what?, she's right.

valerá então d'alguma coisa dizer agora: "foge, Mãe! Foste descoberta!"?

não. Na verdade não vale a pena dizer nada. A não ser que seja para ajudar a Curar, ou Cuidar, de Uno ou Outro Coração *

obrigado, Mãe, por teres cuidado do meu, do meu Coração e de "mim".

possa eu continuar a tua Herança: cuidando dos outros e de mim, através dos meus outros eus, através dos teus outros teus, através dos nossos outros mim's.

 
Enviar um comentário