29 de agosto de 2014

Lua Nova de Virgem - 25 de Agosto 2014

... e pronto, é isto: o Sol ingressou em Virgem e daqui a nada a Lua faz-lhe conjunção, assinalando a Lua Nova anual no signo do "get busy": faz algo de útil, no seu melhor; pre_ocupa-te, simples_mente, - fia-te na Virgem -¨e deixa-te estar enquanto as merdin**s s'acumulam

assim começa a semana, e com ela, novo ciclo


- acabaram-se as "férias", diz um senhor aqui ao lado agora mesmo, verbalizando o essencial da mensagem dos luminares no firmamento -

(embora Vénus e Júpiter continuem em Leão, e, por eles, a festa-fosse-ela-possivel-com-tanta-realidade-dificil-com-que-lidar- continuaria - mas é difícil continuar a fazer de conta que a rave continua

quando já caiu tanta gente morta, intoxicada, no dance floor, outros já começaram a sair, há gente a vomitar por todo o lado, já se acenderam as luzes brancas e desligaram as psicadélicas, a judiciária já entrou varias vezes para prender gente na festa, tendo começado no dealer de pastilhas - será que, como o do pepê rapazote, aceita multibanco? -, e agora se prepara para prender também o dono da discoteca (será um banco?, senhor, será um banco?).

Mas com o Sol em virgem oposto a neptuno, e Mercúrio - também em virgem - oposto a quiron, e os dois planetas do "prazer' e do "optimismo" (Vénus e Júpiter) no entretanto destronado signo de leão, que perdeu os luzeiros para Virgem, é apenas natural que uma parte assim, diríamos, "menos iluminada" queira continuar - fazendo de conta - de férias, em festa, na borga, sem responsabilidades, pendentes, tarefas, como se não tivesse mais (muito?) que fazer

- e enquanto isso já entrou a equipa das limpezas para vir compor os resquícios da festa -

embora - é o Mercúrio oposto ao neptuno - ainda andem de volta dos copos e das pontas de charros deixadas no chão (não sabemos se para deitar fora, emborcar ou acender) e não tenham ainda, nem ideia de por onde começar, nem visão nenhuma da sala limpa e arrumada, nem sequer clareza quanto ao que é para fazer

de modes que enquanto a judiciária faz buscas no escritório da discoteca e os bandidos uns últimos telefonemas (a combinar os esquemas redentores, ou então para os advogados), uns quantos ainda se obrigam a fechar os olhinhos ao que se passa na sala para poderem continuar a dançar ao som de uma música que é cada vez menos audível e cada vez mais memória do ritmo que já foi,

- não, não é uma passagem top feita pelas paris-hotéis-deste-mundo, é mesmo o silenciar gradual da música, só que ele há trips para tudo, e que nunca se substime a capacidade humana de viver em negação -

a festa vai gradualmente fading off e o princípio da realidade gradualmente intrometendo-se, convidando

(quem queira, porque durante um tempo ainda há opção)

a começar a limpar, organizar, e mudar o registo.

Fazer um plano de ataque
iniciar um detox ou um novo plano de treino
uma folha de excel
comprar uma agenda para o próximo semestre, que este já é o último do ano presente
regressar ao Facebook, para ver quantas mensagens poderiam ter sido urgentes se as tivéssemos recebido na altura,
elaborar listinhas de tarefas, de prioridades, cronogramas,
tudo aquilo enfim
que possa, deva ou precise vir-a-ser
feito

é também uma boa altura

- se nos lembrarmos que por detrás de um diligente e pratico Virgem existe sempre um orgulhoso e assumido Leão -

para evocar tudo aquilo de que nos orgulhamos

(ou, pelo método oposto, que é a mesma coisa - como qualquer oposto que se preze - aquilo de que nos envergonhamos)

de termos feito nos últimos tempos - nem precisa de ter sido estrita e especificamente no último mês, durante a passagem do Sol em Leão, e que de uma forma ou de outra devolveu cada um à essência da sua identidade -

mas assim, à larga, nos últimos tempos (Neptuno e Júpiter estão na equação, vamos ser mãos-largas e permissivos)

e celebrar-nos assim um pouco, ainda que assim e imperfeitamente, e às energias qu’inda pairam em Leão, e que sempre querem parir uma estrela

- embora, como dizia o Nietzsche, seja preciso muito caos interior para parir uma (estrela) das que dançam -

e depois, mãos à obra *

fazendo na Terra, assim como se fazem no Céu,

mercúrio, sol e lua em virgem inspirados por peixes e neptuno - não precisa ser uma virgem bêbeda, pode ser uma formiga com a boa-vontade que faz dela elefante (álea, em rigor, se não houver confusões de sexo pelo caminho - são os trígonos e sextis, nem sempre edificantes, quando cabe a escorpião resolver a tensão virgem-peixes e estes todos se juntam; com virgem escorpião peixes há sempre o potencial problema (virgem) das confusões (peixes) de sexo (escorpião), esperemos que a formiga don’t get lost in translation e tudo mercê da sua boa-vontade)

vejam lá *

a imagem perfeita do momento

de um momento

enquanto não é o momento

do momento seguinte

e a Dança, a verdadeira Dança,

a que não cega, nem chega,

e por isso nunca para, interrompe ou retoma

soma

e segue

segue

e soma *

bem-vind@s de volta à rodinha do hamster,

que não precisa ser mais que uma esteira para fazer exercício

e são meus votos de que a corrida que agora se inicia

- e que não precisa ser azáfama frenética, apenas ponderação sobre o que é útil e produtivo -

não seja apenas a do hamster a correr na roda, a correr a correr
até cair para o lado de velhice, doença, ataque cardíaco, cansaço ou reforma

ou a ser miraculosamente salvo - para outra roda - por qualquer euro-milhões, promoção ou casamento milionário

que a corrida que agora se inicia - são os meus votos, ou pelo menos eram há bocadinho -

sirvam - autenticamente - a cada Um,
e idealmente ao Um
que todos servimos, que a todos serve,
e que tendo de Tudo para Todos
nada nos deve *

ps: desconfio que agora, AGORA MESMO, a Lua deve tar em conjunção perfeita com o Sol. Can you feel it? É oficial. Bem-vind@s ao princípio do fim do “verão” - embora, durante um tempo, ainda vá ser difícil… de acreditar. Formidáveis formigas… e cigarra(da)s…


Uno Michaels
Faro, 25 de Agosto 2014, 15h38
Enviar um comentário