27 de janeiro de 2014

Escorpião - insights astrológicos até 2015

Escorpião
(signo Solar ou Ascendente)


Têm sido muitas as oportunidades, e totalmente irresistível o convite durante os últimos anos, a pôr a sua vida em ordem, a rever os seus valores mais elevados, e a alinhar a sua conduta por princípios cada vez mais éticos, verdadeiros, justos, ou nobres. A bem ou a mal, a experiência tem-no vindo a obrigar a repôr uma certa ordem na sua vida, uma ordem inspirada por uma visão maior, de natureza ética e espiritual mais do que qualquer outra coisa, e a viver mais de acordo com aquilo em que acredita o seu Grande Espírito - se não por qualquer outra via, denunciando pelo menos tudo aquilo que na sua vida tem subsistido abaixo de um nível mínimo de Verdade, de Bem, e da Luz que emana das opções correctas, que as ilumina inconfundivelmente e as destaca de todas as outras.


A sua evolução tem sido marcada, portanto, pela inevitabilidade de aprender a escolher, e a assumir, as opções que a sua consciência reconhece com as melhores, as mais dignas e as mais verdadeiras para si mesmo do ponto de vista da sua própria evolução – e a dar-lhe uma forma, ou expressão concreta, através da reestruturação da sua vida vida, pessoal e/ou profissional.

E isto não tem nada de esotérico nem de abstracto;

se tem energias fortes em Escorpião, é altamente provável que tenha vindo a sentir como a vida o tem obrigado a “alinhar-se”, de uma maneira ou de outra, e a assumir as consequências daquilo em que acredita, daquilo que tem feito, daquilo por que tem lutado – daquilo que tem criado.

E provavelmente reconhece a necessidade imperiosa, impositiva, de criar e viver a sua vida em cada vez mais verdade, com mais controlo sobre os processos, poder sobre os resultados, e o orgulho da auto-determinação para que a sua vida reflicta a sua consciência actual - terminando relacionamentos e compromissos por opção, lidando com separações impostas ou necessárias nalguns outros, assumindo responsabilidades maiores noutros ainda, fazendo os lutos e os ajustes necessários e desistindo de fantasias antigas, clarificando prioridades novas e encontrando, sabe deus onde tantas vezes, a força para continuar especialmente naqueles momentos em que tudo parecia sem esperança, e foram tantos esses momentos ao longo do último ano,

Que agora que pensa nisso,

Pense bem.

Já viu a quantidade de fé que descobriu em si mesmo e na vida agora que olha para trás? 

E o que vê ao olhar para trás?

As ruínas de uma civilização passada – pelo menos, no passado e durante um tempo, isso tudo lhe parecia civilizado - e pó a poisar,

Um guerreiro emergido dos escombros, orgulhosa_mente mirando a luz no horizonte sem piscar, sobrevivido a mais uma derrocada – afinal, é da sua natureza sobreviver a tudo,

O sol despontando no horizonte anunciando um novo dia e pondo o fim às trevas.

Como se agora, vencida a noite dos tempos, o guerreiro em que se tem tornado reemergisse vitorioso – e pronto para tudo; tudo e mais alguma coisa. Tudo e mais alguma coisa, incluindo o impossível, para não dizer o improvável mais possível – o de acreditar no milagre, sem no entanto depender dele para fazer face ao futuro.

Ironica – e felizmente -, sempre com a divina providência acenando oportunidades miraculosas nos momentos menos prováveis, fazendo-o assim inspirar nova esperança e encorajando-o a enfrentar com sucesso mais uma voltinha no carrossel dos desafios e contrariedades que nunca ninguém saberá se é uma pessoa que cria com a sua própria obstinação, ou se independentemente da força de carácter as provas chegariam assim mesmo e na mesma, duras e difíceis de qualquer modo.

E enquanto uma parte de si se dedica, ou estaria no seu melhor se o fizesse, a construir uma realidade pessoal e profissional mais civilizada e à altura da sua consciência actual, outra parte de si confronta-se com as limitações e restrições impostas por relacionamentos – por aqueles de que depende, por aqueles em que ainda insiste, ou por aqueles de que ainda não abdicou (ou dos relacionamentos concretos, propriamente ditos, ou de uma certa forma de estar neles, nomeadamente, da tendência a querer manter-se no controlo). 

Certifique-se, apenas, de que esta não se intromete no caminho daquela.

Felizmente é só mais uma fase temporária, como tudo o resto na vida, esta de denúncia, perante a honestidade do confronto entre a sua própria consciência (o único lugar do seu Ser onde não caberão mais justificações), e os mecanismos inconscientes de auto-sabotagem que o colocam nas situações em que jura a si próprio que preferia não estar.

No final deste período, estará numa posição muito, mas muito mais confortável e poderosa, de auto-determinação e avanço pessoal e profissional – especialmente se aproveitar a boleia e tirar partido das aprendizagens feitas,.às vezes de formas.tão difíceis.

O resto... é Vida a cumprir-se - e a expandir-se, desejavelmente - através do seu próprio processo de Ser e Tornar-se, esse que costuma ser, no seu caso, um processo frequente de morrer... e (as)sim superar-se. Renascer sem morrer - ou ganhar sem perder - é que seria de admirar-se.


E saiba que no último trimestre de 2015 as circunstâncias mudam significativamente. Está curioso? Hei—de escrever sobre isso.


Palco do crescimento: a terra dos hobbits que existe no seu imaginário

O que evitar: focar-se na árvore e perder a visão da floresta

A expansão vem: do exterior, de longe, ou do Alto

Do que não pode escapar: de si próprio

As principais batalhas do ano: com o seu próprio sabotador interno

Reinvente-se: nas técnicas que utiliza

Confie e entregue ao Alto: tudo o que sai de dentro de si



"Recado" particularmente relevante, à parte as especificidades dos destinos, percursos, escolhas e karmas individuais, e que só o Tema Astrológico revela na sua natureza e timings, para todos aqueles com o Sol ou o Ascendente em Escorpião.

Feeback é sempre bem-vindo, para me ajudar a melhorar o que faço e, assim,
a ajudar melhor - no que isto possa ajudar - cada um a viver com mais consciência.



Enviar um comentário