5 de dezembro de 2013

Virgem - insights astrológicos até 2015

Virgem
(signo Solar ou Ascendente)

Se o ano de 2014, quando começou, encontrou alguém ocupado, foi a si. Isto não será propriamente novidade, pois se alguém geralmente se encontra ocupado é você. Mas esse ano foi ligeiramente diferente – e não é esta uma das promessas que você faz a si próprio todos os anos; a de que este ano será diferente?



Pois bem. Este novo período será mesmo diferente para si, e começa consigo a tentar resolver o puzzle que tem ocupado a maior parte do seu pensamento nos últimos tempos: como pôr a vida em ordem – provavelmente ruminando em todos aqueles que você acredita que a vieram desarrumar – enquanto tenta perceber, ao mesmo tempo, a subtil mas fundamental relação que existe entre as suas relações amorosas, a sua cegueira, e o seu senso de valor próprio.


Há muito tempo que você conhece o slogan daquele leite que diz que se você não gostar de si ninguém gostará, mas a questão – começa você a perceber – é muito mais profunda do que isso. Já não chega compreendê-lo – porque isso já você compreendeu há muito tempo – e há já uns meses que começou, até, a lutar por si próprio neste capítulo e neste sentido. A fazer por si próprio, quero eu dizer, sem contar com sentir-se amado por aí além; o que lhe parece ainda um mistério é por que é que ainda não encontrou, ou encontra cada vez menos – se é que alguma vez encontrou, pessoas em quem possa confiar até às ultimas consequências.


É que uma parte de si está mortinha por se entregar à Vida - ou mais provavelmente a alguém (alguém que passe imaculado no pepsi-challenge do seu clínico olhar crítico, naturalmente, que filtra toda a sorte de critérios, padrões, expectativas e defeitos). Uma parte de si está mortinha por ser arrebatada e levada e conduzida a uma experiência transcendente e mística que faça soar todos os sinos, largar todos os mapas de estradas e questões e resistências, e borrifar-se na esquadria à qual tende a querer sujeitar tudo aquilo que lhe apareça à frente.


Essa parte de si que está mortinha por deitar fora o livro das regras, a régua e o esquadro e viver uma aventura sem precedentes, uma loucura romântica que o envolva de tal maneira que o faça esquecer de vez do sítio onde costuma arrumar as cuecas. Uma parte de si anseia por uma experiência que lhe dê a provar todas as delícias do Jardim do Éden - e sem medo de trincar a maçã.


Mas outra parte de si (não podia ser perfeito!) insiste em não confiar – ou em acreditar que uma serpente o enganará, no final, se você se permitir fazer o que o seu coração mais quer. E que é, ambos sabemos, engolir de um trago a maldita maçã.


Estamos, portanto, perante um dilema: ou confia e trinca a maçã, ou continua vigilante, de régua e esquadro e mapa na mão, com os óculos na ponta do nariz, esperando, observando, ponderando, avaliando, tacteando - até sentir que reuniu as condições para o poder finalmente fazer – e quem sabe se algum dia esse dia chegará.


O segredo, ou  a chave, é aprender a preencher-se a si próprio sem esperar que isso lhe venha de fora. Uma actividade humanitária, altruísta, criativa, ou simplesmente um novo hobbie ou interesse criativo que comece a levar mais a sério, a dedicar-lhe mais tempo e energia, pode ser algo que vale a pena considerar. 

Assim, preenchendo-se a si mesmo com mais de si próprio, terá  um maior senso de autonomia, a experiência de estar a dar de si mesmo a algo maior do que você e a certeza de que, quando aparecer a maçã já pode trincá-la sem medo; e mesmo que a maçã tenha bicho (e o bicho for serpente), ainda assim terá sempre o seu próprio pedaço de Céu de onde nunca ninguém o poderá expulsar.


O seu próprio pedaço de céu: construído por uma escolha e com os materiais do seu Coração, mantendo algum controlo sobre o processo, feito com amor e por amor a si mesmo. E verá que o Céu, afinal, é mesmo um lugar sobre a Terra.


E saiba que no último trimestre de 2015 as circunstâncias mudam significativamente, e você entrará (finalmente?) num novo período de optimismo, expansão, e (pareço o governo) novas oportunidades.



Palco do crescimento: autonomia pessoal

O que evitar: pôr a solução no exterior


A expansão vem: dos amigos e de ajudas misteriosas


Do que não pode escapar: de tomar decisões importantes


As principais batalhas do ano: cuidar melhor de si


Reinvente-se: na maneira como vive no dia-a-dia

Confie e entregue ao Alto: naquilo que os outros lhe trazem e mostram

"Recado" particularmente relevante, à parte as especificidades dos destinos, percursos, escolhas e karmas individuais, e que só o Tema Astrológico revela na sua natureza e timings, para todos aqueles com o Sol ou o Ascendente em Virgem.

Feeback é sempre bem-vindo, para me ajudar a melhorar o que faço e, assim,
a ajudar melhor - no que isto possa ajudar - cada um a viver com mais consciência.


Enviar um comentário